Pictures

Pictures

Picctures

29 de jul de 2011

Comi a sobrinha gostosa


Há tempos que reluto em contar esse segredo guardado a mil chaves. Mais hoje resolvi compartilhar com os leitores essa aventura incomum. Vamos aos fatos.
Sou um cidadão comum mais com um senso de erotismo acima da média. Sempre tive um tresão espetacular e desde sempre me excito com facilidade. Tenho hoje 45 anos, corpo bom para a idade e um documento que é meu cartão de visitas: 23 centímetors em ereção máxima. Tive muitas mulheres e muitas ninfetas também. Vários foram os cabaços. Mais um deles me é especial. Trata-se do de minha sobrinha Laura que vi nascer. Desde pequena ela se mostrava uma bela menina. Tudo começou quando ela completou 16 anos. Ela era linda. Lourinha, com os peitinhos a sair e uma bundinha arrebitada num mudo convite. Sempre nos tratamos muito bem e nossa intimidade era o normal. Um dia ao comprimentá-la, beijei seu pescoço. A paritr desse dia tudo mudou. Sempre que ela vinha a minha casa, colocava o pescoço para ser beijado. Eu notava também que ela com o joelho encostava em minha pelvi sentindo o meu volume. E isso foi se tornando comum. Até que um dia, aconteceu o que eu sonhava: eu me encontrava sozinho em casa e ela veio fazer um trabalho de escola em meu computador. Chegou e logo ofereceu seu delicioso pescocinho. Dessa vez além do beijo, passei a ponta da língua. Notei que ela suspirou e premiu o joelho com mais força no meu pau que logo reagiu. Assim como tava eu a puxei de leve e ela caiu em meu colo.
Ela tava linda com um shortinho amarelo que dava para ver a marca da calcinha. Ali em meu colo ela pode sentir o quão afim eu estava. Aquele rostinho perto da minha boca foi um convite mudo. Dei-lhe uma bitoquinha e ela remexeu. Nisso eu falei: vai fazer seu trabalho. Ela respondeu com voz trêmula que já tava indo. E assim foi. Eu na sala, com o pau durissímo pensando o que fazer. Foi ai que ela me chamou para concertar uma parada no PC.
Fui com o coração acelerado e o pau duro. Não dava prá disfarçar pois como disse ele é enorme. Chegando ao quarto me postei atráz dela para ver qual era o problema. Nisso vi seus dois seioszinhos por cima da blusinha e elouqueci de vez. Dei-lhe um beijinho no pescoço e am ato continuo levei minhas mãos aos peitinhos dela. Ao que me pareceu ela adorar. Forcei então meu pau em seu ombro e lea seu ombro em meu pau. Ai eu falei: meu amor vem aqui com o tio. Ela, languida, aceitou o convite e veio em minha direção olhando para o volume em minha bermuda. A abracei e forcei bem encima de sua barriguinha. Nisso ela enteabriu a boquinha e lá depositei minha língua firmemente. Foi delicioso beijar aquela boca virgem. Peguei sua mão e dirigi até meu pau no qual ela apertou e começou a acariciar por cima da bermuda. Nesse interim já não havia mais controle. Deitei-a na cama e comecei a beijá-la. Quando cheguei nos peitinhos ela gemeu forte e disse que queria tudo mais que estava com medo.
Tranquilizei-a e continuei minha aventura. Fui tirando sua roupa bem devagar. Quando cheguei na calcinha beijei sua virgem bucetinha que a essa altura já estava bem lubrificada. Foi uma chupaçõia danada. Já nú pude notar toda sua apreensão com o tamanho de meu pau: tio isso vai caber em mim? Vamos ver meu amor.
Pedi que ela colocasse ele na boca e ela em ato contínuo não só o colocou como passou a chupar com vontade. Logo eu gozei e enchi sua boquinha de porra. ela inexperiente, cuspiu tudo. Após um breve descanso, parti para a cena final: o defloramento.
Acalmei-a e fui a luta. Ela escancarou as perninhas e eu estacionei entre elas. A visão de sua bucetinha peladinha me enlouqueceu. Encostei a cabeça e fui forçando. Ela só gemia. Fui enfiando e ela gemendo. Enfiando e ela gemendo: vai…tiiiiiooo. Tá doendo gostoso….me come logo….vai ….me come vai….aiiiii. Após uns bons minutos me vi todo atolado em sua bucetinha. Comecei o vai e vem devagar para ir acelerando mais a frente. Ela ufava de prazer. Gozamos muito. Enchi ela de porra várias vezes nesse dia e nos vários dias seguintes. Nunca fudi tanto em minha vida.
Outro dia fomos a um motel onde pela primeira vez lhe fudi o cuzinho.
Nossa ela aguentou tudinho sem reclamar. Fudemos muito. E ela só tem 18 anos.

COMENDO O CÚ DA CURIOSA

O que passo á contar aqui é real. Todos me chamam de bombom, porque eu sou uma pessoa boa. Tenho 42 anos, sou bem conservado, gosto muito de sexo. Tenho uma irmã que tem uma filha de 18 aninhos. Um estouro de menina. Morena clara, peitinhos pequenos, parecendo dois tomates, cintura larga e uma bunda super empinada, rosto de criança. Bom, sai de férias do trabalho e fui passar uma semana com minha adorada irmã, que é separada do marido e me pediu para murar o quintal da sua nova casa no subúrbio. Lá chegando acertamos como tudo seria feito e comecei logo no outro dia a trabalhar. Sua filha que estuda pela manhã, só chega ao meio dia em casa. É muito apegada a mim e sempre nos divertimos muito com brincadeiras alheias. Minha irmã trabalha o dia todo e nos dá toda confiança. Até mesmo porque não tinha de que desconfiar, já que pra mim se trata de uma criança. Mas a coisa começou a mudar no dia em que cheguei. À noite na hora de dormir, quando ela apareceu saindo do seu quarto só de camisola, sem sutiã e veio me dar um abraço de boa noite colando seu corpo ao meu. Eu estava sem camisa, e minha irmã na cozinha. Quando ela me abraçou eu a segurei e retribui o abraço forte, sentindo seus peitinhos macios roçarem juntos ao meu. A segurei por um instante beijei-a no rosto. Quando a soltei pude ver que os bicos tinham crescido com aquele abraço. Ela vendo que eu estava olhando para eles deu risada e saiu. Aquilo ficou na minha mente até que fui dormir. No outro dia acordei com o relógio despertando, era hora de minha irmã ir trabalhar. Levantou fez sua higiene matinal e me pediu para eu acordar naninha para ir para a escola. Quando deu 07h00min eu fui acordar naninha. Quase tive um colapso ao ver minha sobrinha dormindo sem cobertor, com a camisola na cintura deixando amostra uma bundinha de dar tesão em qualquer velhote. Com uma tanguinha dento do cu dava pra ver o monte por baixo das perna de sua buceta carnuda. Primeiro a cobri, então a chamei. Ela levantou se cuidou e foi pra escola. Fiquei atribulado a manhã toda. Não teve jeito a não ser bater uma bela punheta pensando naquele cuzinho. Quando ela chegou estava na hora do almoço. Pedi a ela que colocasse o meu enquanto iria tomar um banho. Entrei no banheiro e estava lá feliz com tudo isso, quando senti que estava sendo observado por alguém. Só podia ser ela, pois na divisória só tinha uma cortina e deixei a porta aberta por não ter fechadura. Ai comecei a sacanear. Primeiro comecei a bater uma pro meu cacete endurecer e quando estava bem duro lhe preguei uma peça. Do nada abri a cortina e sai nu. Ela fez uma cara de assustada e disse que ia pegar a sua escova de dente, mas não tirava os olhos do meu cacete duro. Aproveitei que não tinha toalha e pedi que pegasse uma pra mim. Entrei novamente pro banho. Quando ela voltou ela mesmo abriu a cortina pra me entregar a toalha. Foi a gota d’água. Eu disse que estava calor e perguntei se ela não queria tomar banho também. No que ela disse que sim. Pedi para ela tirar a roupa. Ela tirou a saia e a blusa ficando só de calcinha e sutiã. Entrou como uma menina inocente que não sabia o risco que estava correndo. Molhou-se toda. Eu nu, ela de calcinha começou a brincar me jogando água. Uma loucura. Em dado momento eu agarrei ela por trás e me encochei em sua bunda. Abracei e segurei em seu peitinho. Ela parou e disse: Tio eu sou virgem. Eu disse pra não se preocupar que o titio sabia como fazer. Virei ela e lhe dei um beijo gostoso na boca. Enfiei a mão por dentro de sua calcinha por trás e apalpei sua bunda. Chamei de encontro a mim e meu cacete se encaixou no meio de suas pernas duro como uma pedra. Abri meus olhos e vi uma prateleira com uns frascos de xampu. Comecei a tirar sua tanguinha, fui descendo e ela ficou nua na minha frente. Abracei-a de novo e agora sentia minha pica na entrada da sua xoxota. Encostei-a na parede e comecei a roçar na sua bucetinha virgem. Ela só fazia gemer: Ai tio, ta gostoso. Assim ta bom. Eu a senti gozar em meu cacete. Ai eu disse pra ela que ia fazer outra coisa boa com ela. Peguei o frasco de xampu, pedi que ela abrisse a mão. Ela abriu, coloquei o xampu na mão dela e pedi que passasse em meu picão. Ela começou a lambuzar minha pica. Tomei da mão dela e pedi a ela que ficasse de quatro segurando no vaso sanitário com as duas mãos e ela fez sem saber o que a esperava. Coloquei xampu em minhas mãos e direcionei na entrada do seu cuzinho. Ela perguntou: Tio o que vai fazer? Eu disse que queria roçar meu cacete na sua bunda e ela deixou, me pedindo pra não machuca-la. Passei bem no seu rabinho, na cabeça do meu cacete e direcionei bem na entradinha. Passei meus baços por baixo dela até seu rosto e me encaixei. Fiquei brincando na entrada do seu cuzinho um bom tempo, até que ela se acostumou e começou a rebolar. Ai foi a minha vez. Dei uma empurrada e a cabeça entrou. Ela berrou: Ai meu cu. Ta ardendo tio. Tira. Eu segurei-a, tapei sua boca e meti a metade. Ela começou a chorar, eu parei e disse: Olha, eu vi você me olhando tomar banho. Fique quieta que a dor vai passar. Ela ficou quietinha de quatro. Eu tirava e enfiava, ela gemia agora sentindo um pouco de prazer. A dor ta passando tio, dizia ela. Vá devagar que eu deixo. Fui devagarinho. Tirando e botando. Quando senti que era hora da segunda etapa, enfiei de vez o resto e segurei-a pela cintura. Ela gritou: Chega, eu não agüento mais. Ta me lascando. Você me lascou. Tira titio, tira. Atochei tudo dentro do seu cu e comecei o vai e vem. Parei e disse a ela quer que acabe logo? Mexa um pouquinho pra acabar. Ela começou a mexer. Foi uma gozada como nunca gozei. Ela tomou banho e foi dormir, sem dar uma palavra.

26 de jul de 2011

Uma garrafa de uísque e duas gostosas

Trabalhava fazendo leilões pelo interior do NE, certo dia estava eu trabalhando num leilão em caicó (interior do RN). Nesses leilões trabalham muitas estudantes de zootecnia e veterinária, duas delas eram realmente especiais, faziam bicos de modelo e geralmente faziam a recepção dos convidados do leilão. A equipe ficava toda hospedada no mesmo hotel, mas como elas eram de cidades diferentes, a gente só se encontrava nos leilões, ou seja, conversava pouco. Num certo, dia o leilão foi longo mas um sucesso, e o “patrão” decidiu dar um extra pra todo mundo fazer uma festa. Molhei a mão de um garçom e peguei uma garrafa de whisky e 6 latas de energético. Não tinha intimidade pra chamar as meninas, mas elas bem mais desenroladas perguntaram para onde eu ia com aquela garrafa de whisky, eu disse: – Nessa garrafa bebem 3 pessoas, quem sabe são vocês… eu e mais duas (Dani e Rafa, que facilmente se passariam por irmãs a única diferença são 6 centímetros, as duas morenas, cabelos lisos, peitos grandes, bunda maravilhosa, quadris largos). Aí Rafa disse: – Esse povo de Recife é desenrolado mesmo. Voltamos escondido para o hotel, combinamos de nos trocar e irmos para outro lugar. Voltei pro quarto, tomei banho, coloquei desodorante, perfume, escovei os dentes, coloquei uma calça jeans, uma camisa pólo, um sapato social e desci com a garrafa debaixo do braço e o “Pack” de energético. Demorou uns trinta minutos, descem as duas e me avisam que não vão poder sair porque estão esperando as amigas chegarem, que era melhor beber por lá mesmo. O que me importava era a companhia e não o lugar. Fiquei na minha e disse que ia me trocar então, que elas fossem bebendo e me encontrassem na piscina, subi e estava me trocando quando eu escuto um barulho ao longe, olho para baixo da sacada, as duas tomando banho de piscina, detalhe a temperatura era de 17 graus (frio para padrões nordestinos). Eu já desci com 4 toalhas, uma camiseta, uma sunga e muita vontade. Assim que apareço na piscina elas me olharam com espanto e elogiaram minhas pernas, quando chego mais perto percebo que elas não estão com roupa de banho. Dani está com uma calcinha e uma blusa, e Rafa está só com um top e um short (sem calcinha nem sutiã), entro na piscina e elas me servem uma dose a La cowboy dizendo que é “para esquentar”. Dani tomou uma dose e fez uma careta, foi limpar a boca com a blusa e escapou um “peitinho”. Ela viu que eu vi e ficou olhando diretamente pro meu pau, (que a essa hora mesmo com o frio de rachar e a água gelada, estava pulsando feito um coração). Eu marotamente perguntei: – Quer que eu limpe? Ela não se fez de rogada. –Vem! Nem conversei muito, fui logo tascando um beijo, uma boca macia, uma língua nervosa, corri a mão por baixo pra tirar sua calcinha, ela segurou minha mão e começou a lamber meu pescoço, peito, nessa hora Rafa grita: – Opa, espera ai que eu estou chegando. Vem pra perto da gente, fica sentada na borda da piscina, eu coloco os dedos na xota molhada, enquanto Dani me lambe, aí eu falo: – Vamos subir pra ninguém pegar a gente aqui. Vamos ao meu quarto, e vamos direto pro chuveiro tirar o cloro. Pego Dani de costas, começo a chupá-la logo pelo cuzinho, ela faz menção de resistir mas não o faz, continuo chupando o cuzinho dela enquanto ela começa a beijar Rafa, nessa hora eu começo a enfiar o dedo na xota de Rafa enquanto chupo o cuzinho de Dani. Me levanto, logo Rafa se abaixa e começa a me chupar, fico beijando Dani na boca enquanto Rafa me chupa de um jeito que parece que vai arrancar meu membro. Saímos do banho direto pra cama, deito Dani na cama e Rafa logo se coloca a frente dela e começa a chupá-la, por um momento pensei em penetrá-la daquele jeito mesmo, ela de quatro pra mim, mas me contive e comecei a chupar a bucetinha e o cuzinho dela, os gemidos dela se confundiam com os de Dani. Comecei enfiando um dedo no cuzinho dela, e ela começou a gritar mais forte, aproveitei que estávamos molhados e coloquei a cabeça do pau na porta do cuzinho dela, subi na cama e a penetrei de uma vez só, ela gritou. Dani se assustou mas logo soltou um sorriso. Rafa começou a gemer feito uma louca enquanto eu bombava no cú dela com força, Dani esfregava a cabeça dela na sua buceta, e ela com os dois dedos no cu de Dani, e Dani gemendo acompanhando. Não fazia nem menção de gozar, pois ainda estava sob efeito do álcool. Tirei o pau do cú dela, e pedi que ela chupasse. Ela tirou o rosto e Dani esfregou a cara dela no meu pau, deitei na cama e mandei Dani subir no meu pau, ela começou a cavalgar em mim, enquanto Rafa ficou com a buceta na minha cara, Dani cansou de cavalgar, e ficou de costas pra mim, segurando em meus tornozelos. Foi o passe pra eu tirar o pau da xota dela e colocar no seu cuzinho, ela disse que não queria e que nunca tinha feito, mas eu pedi pra ela ficar sentando devagar e dosando a penetração, ela tava tão extasiada que nem dosou nada, socou de uma vez e ficou cavalgando com o cú até cansar. Gozei dentro do cú dela, tanta porra que parecia que quem tava gozando era ela. Dani foi pro banheiro e Rafa ficou na cama, descansei um pouco mas meu pau não amoleceu. Comecei chupando a xotinha de Rafa que se surpreendeu com a velocidade e virou-se num 69 frenético, não demoramos muito e começamos a fazer algumas páginas do Kama-sutra, de lado, de frente, de costas, papai-mamãe, coqueirinho, muitas posições, tudo na bucetinha. Ela já tinha gozado algumas vezes e eu nada, meu pau já estava meia-bomba e eu cansando, quando percebemos Dani sentada na beira da cama se masturbando olhando a gente transar. Chamei ela pra cama e comecei a penetrá-la num papai-mamãe e ela disse que queria fazer todas as posições de novo. Eu disse que não sabia se ia agüentar mas continuei, enquanto Rafa se alternava, ora chupando o cú dela, ora colocando o cú pra eu chupar. Ficamos muito tempo transando, meu pau já estava de um jeito que doeu quando eu gozei. Continuamos na cama os três mortos de cansados e ainda inebriados de prazer, pegamos no sono os três nus na cama, e meu colega de quarto dormindo no sofá. As meninas acordaram, se assustaram com ele e me acordaram. Se vestiram, pedi a calcinha de Dani de lembrança, ainda melada de gozo. Acordei ele, que me disse que chegou, viu as duas nuas bateu uma punheta e foi dormir. Prometi a ele que depois colocava uma pra ele “na fita”… mas isso é outra história!

24 de jul de 2011

Dei pro amigo da minha mãe

Bom,vou começar falando como eu sou, sou morena, olhos e cabelos castanhos, seios grandes, bunda arrebitada, coxas grossas, 1,65 de altura, 50 kilos e tenho 19 anos bom, eu sempre tive vontade de transar com um amigo da minha mãe, ele deve ter seus 32 anos, não sei exatamente quantos, e ele é daqueles que me conhece desde pequenininha, e como ele sempre disse já até me pegou no colo, já trocou minhas fraldas, mas tudo bem, eu sempre cumprimentei ele, nunca parei pra conversar, no começo é porque eu não sentia atração por ele. Mas quando completei 18 anos já estava começando a ficar atraida, e, acabei arrumando uma camera digital, e eu não podia ver nada na minha frente que eu saia tirando foto, até que um dia, eu fui comprar Hamburguer e o vi no portão da casa dele, e falei pra ele sorri, e tirei uma foto, e mostrei pra ele como ficou, no outro dia fui correndo no lugar que revela fotos digitais e revelei a foto dele (eu não revelei no Computador, porque não fica tão bom assim), ai quando eu o vi de novo eu falei pra ele que eu tinha revelado a foto, e que estava no meu painel de fotos, e que tava com uma coroa de rei na cabeça, pois de todas as fotos que tem no painel a dele é mais bonita, ai ele deu aquele sorriso que me matou e falou que não acreditava, ae eu falei pra ele assim que era pra ele ir la no meu quarto qualquer dia desses pra ele ver a foto, e ele falou que ia. Depois de uns 2 meses mais ou menos, eu fui morar sozinha, em outro bairro da cidade, só que como era Julho mes de ferias eu ficava mais na casa da minha mãe, então no ultimo sabado de ferias, resolvemos ir pra cachoeira, e depois de quase 1 hora que estavamos lá, ele chegou com mais um amigo. Logo que ele chegou minha tia sabendo que eu era doidinha com ele, ela logo deu o grito ” Olha, lá quem vem, o laele ta vindo” e meu coração disparou, minha tia tava logo na pedra da entrada e eu tava do outro lado da cachoeira, e quando eu o vi, logo soltei o seguinte comentário “Ah, norinho, pq você veio, agora o sol vai embora” e ele sem entender nada logo comentou “porque” e eu soltei a seguinte frase “Porque ele está com vergonha da sua blz”, e ele por sua fez, sorriu sem graça, ai como eu estava do outro lado, ele passou do outro lado pra podermos conversar, ai, eu estava deitada tomando sol, e ele jogou a seguinte, que dia que eu vou poder beijar sua boca, eu falei, que o dia, a hora que ele quisesse, e ele falou que queria naquela hora, como a cachoeira tava cheia de pessoas, resolvemos e pra outro lugar, ae demos uns amassos, e pronto, pois já estava anoitecendo, e ele foi embora com o colega dele. A noite pensei que nem ia ver ele, e quando já estava indo pegar o onibus pra ir pra minha casa, eu o vi, e ele tava com a moto dele, e perguntou se eu queria carona, eu ri, e falei que ia aceitar, eu estava com uma saia curtinha, e uma blusa de alcinha, ai sentei de perna aberta, ai, ele falou pra eu abraçar ele, ai, eu aproveitei, só que da casa da minha mãe, até a minha casa é rapidinho, e logo chegamos. Eu abri o portão e convidei pra entrar, ele colocou a moto na garagem e entramos, ai, eu liguei meu aparelho de DVD, e coloquei no DVD do Calypso e tem uma música muito boa que diz o seguinte (imagino nós dois na mesma cama, te imagino dizendo que me ama, imagino o teu corpo sobre o meu, e o calor dos braços teus, imagino minha boca procurando feito louca por vc na hora do prazer…) e passei ele, e fui na cozinha pegar vinho que tava na geladeira, e gritei de la, essa musica é pra vc. Ele riu e depois que eu cheguei no quarto e sentei na cama, deitando perto dele, ele perguntei o que eu tinha falado, e eu falei que tinha falado que toda vez que eu escutava aquela música, eu lembrava dele. E ele meio sem jeito riu, ai eu tive uma ideia, pra eu mostrar que estava 100% afim de ficar com ele, fingir que liguei pra minha colega do meu celular, e falei pra ela assim, que nao precisava ir dormir comigo, pois eu já tinha compania pra aquela noite, e olhando pra ele, ai, me dispidi dela, e desliguei o tel, ai, ele falou que estava me atrapalhando pois eu estava esperando alguem pra dormir comigo e ele estava la empatando, eu falei que a pessoa que tava comigo já tava ali do meu lado, e ele sem pensar me deu um beijo de uns 5 minutos, e perguntou se era ele a compania, eu balancei a cabeça que sim, e ele deitou-se por cima de mim, e perguntou se eu queria transar com ele naquela hora, e eu sem pensar muito tirei a blusa dele, ai ele tirou a minha blusa e ficou beijando os meus seios um tempão, beijou o meu pescoço, depois a minha orelha, ae eu fiquei por cima dele, e comecei a beijar a orelha dele, e eu sentia que ele estava gostando, pois a cada beijo, a cada mordida que eu dava ele suspirava forte, e comecei a beijar a barriga dele, e fiquei um tempo parada beijando e alisando o umbigo dele, começei a abaixar a bermuda dele, mas continuando beijando o umbigo até que ele já estava totalmente nu, e comecei a chupar o Pinto dele, e , chupa, até que ele gozou, ai ele me deitou na cama e começou a me beijar e tirar a minha saia depois minha calcinha, e começou a me chupar, colocando sua lingua no meu grelinho, e me fazia sentir prazer, pois, meu ponto fraco é quando eles colocam a lingua no meu grelo, ai, depois que eu gozei começamos a fazer um gostoso papai-e-mamai, e depois de mais uma gozada, eu fiquei de quatro com a mão na parede e ele ficou enfiando aquele pau grosso e grande em mim, na minha bucetinha, fizemos um 69 e depois mais um papai-e-mamai, e logo depois fomos dormi, Como eu sempre sonhava com ele fazendo isso comigo, pensei que era um sonho, e quando olhei de lado, ele estava la do meu lado só de cueca e só de calcinha, quando fui levantar ele acordou perguntou o que eu iria fazer, falei que ia tomar banho, e ele se ofereceu pra tomar comigo, e simplesmente transamos novamente, de varias formas, e jeito, ai depois de um tempão saimos do banheiro, e quando fui me vestir ele ficou me olhando e ele me falou que eu era muito gostosinha, e que queria fazer aquilo comigo outras vezes, ae, eu logico, perguntei se varias vezes incluia naquela hora, só que quando estavamos começando a fazer tudo de novo, a minha mãe me perguntou se eu não iria almoçar na casa dela não, pois já era mais de 1 hora, e o almoço estava pronto, e eu falei que só ia tomar banho e pegar o onibus. só que como eu não ia precisar pegar BUSAO, fizemos mais um papai e mamae e perguntei se eu podia morder a barriga dele depois, e ele deixou. Depois de tudo ele me levou pra perto da casa da minha mãe, e me deu um beijo tão gostoso. só que meu primo viu, só que naum deu problema, pois ele é de confiança. Como eu moro sozinha, quase todos os dias a gente dormi juntos. E sempre inventamos coisas pra gente fazer.